Ganhando Dinheiro Conscientemente.

Ganhando Dinheiro Conscientemente.

Quão importante é o dinheiro?

Quanto dinheiro é suficiente para você?

O dinheiro é uma distração do caminho espiritual?

É um mal necessário?

É injusto que algumas pessoas tenham mais dinheiro do que outras?

A pobreza é mais nobre do que a riqueza?

É possível se tornar um milionário e, ainda assim, espiritualmente esclarecido?

Mesmo entre pessoas altamente conscientes, o assunto “dinheiro” é um tema controverso. O dinheiro é, de fato, um assunto muito carregado emocionalmente.

Como indivíduo, você provavelmente lutou com esse assunto em muitas ocasiões.

As atitudes sociais em relação ao dinheiro são tão incongruentes que não é de admirar que as pessoas estejam confusas.

O dinheiro é um recurso positivo ou uma distração que diminui a consciência?

Como a maioria das pessoas, cresci com associações misturadas sobre dinheiro. Em alguns aspectos, o dinheiro era bom. De outras maneiras, era um mal necessário ou uma distração do que era realmente importante.

Por um lado, vi evidências de que o dinheiro era bom. Não é difícil reconhecer que o dinheiro confere certas vantagens. Alguns problemas podem ser resolvidos com dinheiro muito facilmente.

O dinheiro pode fornecer comida, roupas, abrigo, calor, transporte, educação, tecnologia, entretenimento, medicina e assim por diante.

Dada a forma como a nossa sociedade funciona atualmente, se você tiver muito dinheiro, você tem muitas soluções.

O dinheiro certamente não resolverá todos os seus problemas, e pode criar novos problemas próprios, mas, no equilíbrio, é seguro dizer que o dinheiro é uma poderosa ferramenta de resolução de problemas.

Eu acho que Earl Nightingale disse isso melhor:

Nada pode ocupar o lugar do dinheiro na área em que o dinheiro funciona”.

Por outro lado, existem algumas coisas que não concordo sobre o dinheiro. Eu não concordo quando o dinheiro é usado como um porteiro para certos “privilégios”, como cuidados médicos adequados, alimentos saudáveis ​​ou recursos educacionais decentes.

Eu também não gosto de como a cobiça do dinheiro induz as pessoas a se comportarem desonrosamente para alcançá-lo. Enquanto admiro as conquistas dos titãs da indústria de hoje, muitos deles adquiriram suas riquezas através de meios que eu não poderia suportar.

Conflitos de crenças sobre o dinheiro.

Conflitos de crenças sobre o dinheiro.

Durante a maior parte da minha vida, fiquei preso com atitudes incongruentes em relação ao dinheiro. Objetivamente, a riqueza material parecia ser uma coisa excelente – eu definitivamente deveria buscá-la.

Subjetivamente, parecia uma distração gigante – por que eu deveria buscá-la? Intelectualmente, a riqueza parecia boa. Intuitivamente, a riqueza ficou irrelevante.

Eu ainda não tinha descoberto uma maneira de pensar sobre o dinheiro que fosse congruente em múltiplas perspectivas.

Você está lutando com um conflito interno semelhante?

Se assim for, você certamente não está sozinho. Esse conflito é, em grande parte o resultado do condicionamento social.

Temos algumas influências que nos dizem que o dinheiro é muito importante, enquanto outras influências nos dizem que não é.

“Quando jovem trabalhei para um padre, no fim do trabalho feito, o tal padre não queria me pagar o combinado, eu, claro, fiquei bastante nervoso, eu queria meu dinheirinho. Então o padre falou que o dinheiro estava corrompendo minha alma. Entenda que minha família é católica praticante. O padre é uma autoridade social – uma influência. Pode imaginar o impacto dessas palavras irresponsáveis? Hoje sei que a alma corrompida era a dele, afinal, era ele quem não queria me pagar”.

Veja o que acontece durante as férias. Os anunciantes nos dizem para gastar, gastar, gastar. Quanto mais dinheiro gastarmos, melhores serão as nossas férias. Compre para sua esposa um colar de diamantes (intrinsecamente inútil, mas o mais caro), e ela vai te amar para sempre.

Por outro lado, podemos assistir a um filme de férias clássico, como é “A felicidade não se compra”, que nos diz que precisamos manter o dinheiro em perspectiva e que os relacionamentos são muito mais importantes. Os sinais mistos abundam.

Esse condicionamento social também afeta nossos relacionamentos.

Quais os pressupostos que você faz sobre as pessoas com base em sua renda ou ativos financeiros?

Se você conhece o status financeiro de alguém, mas nunca o conheceu, você prejudica essa pessoa atribuindo outras qualidades que podem ou não ser verdadeiras?

Que suposições você faria sobre um milionário?

E sobre alguém que está totalmente quebrado?

Como você se sentiria namorando alguém que ganha 10x mais que você?

Eu acredito que essas associações misturadas levam muitas pessoas a concluir que o próprio dinheiro é o problema. Talvez seja melhor encontrar uma maneira de viver sem dinheiro.

Se o dinheiro é verdadeiramente uma distração da vida consciente, a escolha mais consciente seria evitar todo o dinheiro?

Talvez desistir de suas posses mundanas e se juntar a um mosteiro?

No âmbito da religião, o dinheiro muitas vezes também desempenha um papel confuso. Supostamente, Jesus não era um indivíduo particularmente rico, mas a Igreja Católica de hoje, certamente, é imensamente rica.

De acordo com a Revista Mundial das Nações Unidas, a Igreja tem vários bilhões de dólares só em ouro, e quando você considera suas enormes propriedades imobiliárias em todo o mundo, sua coleção de obras de arte e seu status isento de impostos, a quantidade de riqueza controlada pela Igreja Católica é surpreendente.

Embora os números sejam difíceis de estimar devido à complexidade e ao alcance da organização, alguns acreditam que a Igreja é a entidade mais rica do mundo, com o Papa controlando mais ativos financeiros do que qualquer corporação ou governo na Terra.

Se isso é verdade ou não, a riqueza da Igreja certamente faz um contraste interessante com a vida que Jesus supostamente vivia. Quando se trata de seu futuro financeiro, você deve modelar Jesus ou o Papa? Ou alguém, inteiramente?

Podemos aprofundar mais sobre crenças financeiras confusas, mas não acho que isso seja útil aqui, então vamos colocar os modelos sociais de lado por agora e dar uma nova olhada no dinheiro para ver o papel que ele tem em nossas vidas.

O que é o dinheiro?

O que é o dinheiro?

O dinheiro é um recurso social – o principal recurso social. O dinheiro não tem um valor inerente próprio, mas nós atribuímos valor através do acordo social.

Se eu lhe der de R$ 100, você pode retirar R$ 100 de valor da sociedade. A única razão pela qual isso funciona é que concordamos por consenso que R$ 100 tem um certo valor.

Se todos concordássemos que o dinheiro não valesse a pena, o dinheiro não teria qualquer valor.

Sendo um recurso social, o dinheiro não é um meio de troca perfeito.

O valor de qualquer coisa, incluindo o próprio dinheiro, é determinado pelo consenso social. Esse pode ser o consenso de apenas duas pessoas, como quando você compra um item de outra pessoa. Ou pode ser o consenso de um grande grupo, como quando você compra ou vende ações de empresas públicas.

Quando sua avaliação pessoal coincide com o consenso social, você irá concluir que o preço é justo. Quando sua avaliação pessoal deriva do consenso social, você irá concluir que certos itens estão a cima ou abaixo do preço justo.

Embora haja sérias consequências por fazê-lo, você está livre para excluir o contrato social do dinheiro.

A maioria das pessoas acharia isso totalmente impraticável, mas você pode optar por não atribuir qualquer valor ao dinheiro, se desejar.

No entanto, se você ainda quiser tirar proveito dos recursos sociais, você precisará criar seus próprios contratos sociais caso a caso. Isso poderia incluir troca de favores ou outras formas de troca, ou poderia envolver alavancar relacionamentos para atender às suas necessidades sociais.

Para a maioria de nós, o contrato social de dinheiro é muito vantajoso para ignorar. Embora o sistema monetário esteja longe de ser perfeito, é mais eficiente do que as alternativas.

Ao atribuir um valor monetário às nossas trocas sociais e ao facilitar a transferência de dinheiro de uma pessoa para outra, os negócios sociais são realizados com relativa facilidade.

Comprar mantimentos, trabalhar, usar eletricidade ou conectar-se à Internet são exemplos de negócios sociais e, por consenso social, tudo isso é redutível ao dinheiro.

Mesmo ao dinheiro em si pode ser atribuído um preço, como qualquer pessoa em dívida pode facilmente atestar. Se você quer dinheiro hoje, você pode comprá-lo, prometendo uma maior quantidade de dinheiro amanhã.

Então, o dinheiro é essencialmente um crédito social. É um acordo da sociedade, permitindo que você extraia uma certa quantidade de valor social sempre que quiser.

Quanto mais dinheiro você tiver, mais a sociedade lhe deve, e mais valor você pode extrair.

Como ganhar dinheiro?

Vamos considerar o que significa ganhar dinheiro.

Como o dinheiro é um recurso social, ganhar dinheiro significa adquirir mais desse recurso social.

Quando você gasta dinheiro, você converte dinheiro em valor. Mas quando você ganha dinheiro, você converte o valor em dinheiro.

Uma maneira de ganhar dinheiro é vender bens. Pegue um item e venda, e você receberá dinheiro por isso. Outra opção é adquirir itens a um determinado preço e vendê-los por um preço maior do que você comprou, cobrindo os seus custos.

As empresas desenterram recursos em todo o planeta e vendem-nos com lucro. Para os indivíduos, essa abordagem pode assumir a forma de comprar objetos, ações ou títulos a um preço e vendê-los a um preço mais alto.

Às vezes, o valor é adicionado no processo (o que pode ser apenas uma conveniência adicional), enquanto outras vezes o dinheiro obtido vem das ineficiências do mercado.

Talvez a maneira mais comum de ganhar dinheiro seja vender seu tempo. Repare que eu falei mais comum, não disse mais inteligente.

Esta é a forma mais conhecida de ganharmos dinheiro. Obter um emprego de 8 horas por dia e receber X valor no fim de cada mês.

Claro que você pode conseguir um trabalho pago por produção. Quanto maior a sua capacidade de entregar pessoalmente um alto valor social, maior o seu potencial de ganhos.

Há, claro, algumas funções que rendem mais dinheiro que outras.

A diferença entre R$ 10 / hora vs. R$100 / hora é que o último trabalho tem um valor social muito maior. Essa diferença não é “culpa” de ninguém – a diferença é devido ao consenso social sobre o valor de determinado trabalho.

Observe a diferença entre valor absoluto e valor social. Os principais atletas podem não realizar um trabalho útil em um sentido absoluto, mas sua compensação é baseada no valor social de seu serviço, que atualmente é muito alto.

Outra maneira de ganhar dinheiro é criar um sistema que ganhe dinheiro para você, como um negócio. Este é o meu favorito, uma vez que pode fornecer muito mais alavancagem do que vender meu tempo.

Também acho muito menos arriscado a longo prazo, uma vez que possuir e controlar um sistema gerador de dinheiro é mais seguro do que horas trabalho para outra pessoa.

Você também pode ganhar dinheiro vendendo dinheiro em si … também é um investimento.

Ao emprestar seu dinheiro ou ativos para outra pessoa, você pode ganhar juros e / ou dividendos.

Como você ganha dinheiro depende do que você vai investir.

Investir em um novo negócio é muito diferente de investir em uma organização criminosa. Uma forma de investimento cria valor social, a outra …

E, claro, uma opção final para ganhar dinheiro é roubá-lo. Historicamente, esta tem sido uma opção popular, mas não vou dar uma consideração séria a isso aqui.

Se você pensar sobre isso, existem duas maneiras básicas de ganhar dinheiro:

  1. Faça uma contribuição social e receba pagamentos proporcionais ao valor social da sua contribuição.
  2. Aproveite as ineficiências do mercado para extrair dinheiro sem contribuir com nenhum valor.

A opção 1 inclui a obtenção de um emprego, a administração de uma empresa que fornece produtos ou serviços, revenda de itens com valor agregado ou investir em qualquer um desses pontos de venda.

A opção 2 inclui a revenda de itens sem valor agregado, jogos de azar, movimentação de outros, crime ou investimento em qualquer um desses.

Aqui está outra maneira de rotular estas duas estratégias:

  • Contribuição.
  • Tomação

A menos que você tenha, de alguma forma, se excluído do sistema monetário, você está usando uma ou ambas as duas estratégias agora para ganhar dinheiro.

Uma estratégia provavelmente será dominante em sua vida – ou você está criando um valor social genuíno e sendo muito bem pago por isso, ou você está tirando o valor criado por outros.

Note-se que # 1 é essencial para o sistema monetário sobreviver e prosperar, mas # 2 não é.

A única maneira que os tomadores podem sobreviver é extraindo o valor dos contribuidores. Mas, definitivamente, alguém deve contribuir, ou não pode haver nenhum valor para os tomadores extrair.

Aliás, Ayn Rand escreveu uma fascinante novela chamada Atlas Shrugged sobre o que aconteceria se os contribuintes do mundo formassem sua própria sociedade, deixando os tomadores para se defenderem.

A sociedade contribuinte tornou-se um paraíso, enquanto a sociedade dos aproveitadores caiu em pedaços.

Rand sugeriu que um sistema que recompensava os tomadores à custa dos contribuintes era malvado e que os contribuintes deveriam ser livres para decidir como seu trabalho é usado (e se eles irão ou não suportar os tomadores).

É esperado algum grau de movimentação. As crianças trocam os pais. Aqueles que não conseguem contribuir com os que podem.

Sempre que apreciamos os frutos do trabalho de outra pessoa sem pagar por isso, estamos tomando.

Todos aproveitamos o trabalho duro de nossos antepassados. Mas, eventualmente, temos que decidir se vamos continuar a tomar pelo o resto de nossas vidas ou começar a fazer um verdadeiro contributo.

Nós permaneceremos tomadores pela a vida toda ou nos tornaremos contribuidores?

Obviamente, sua vida incluirá alguma contribuição e alguns recebimentos, mas qual a sua principal estratégia para gerar renda hoje?

Você contribui com o valor social? Ou você tira o valor de outros contribuidores?

Consideremos as duas possibilidades.

Consideremos as duas possibilidades.

Eu recomendo fortemente que você leia o livro “Dar e Receber”, de Adam Grant.

A mentalidade dos tomadores

Optar por viver no modo tomador significa que você está extraindo mais valor social do que você está contribuindo. Seu foco é a obtenção em oposição à doação, então você tira mais do sistema do que você devolve.

A mentalidade dos tomadores sugere que você sempre pode confiar em outros para pagar por sua vida. É a mentalidade do direito não adquirido. Você ainda precisa extrair valor, como alimentos, roupas e abrigo – valor que os outros devem providenciar para você – você mora à custa de outros.

Seu fardo pode ser assumido por um indivíduo, como um pai, o cônjuge, ou pode ser compartilhado pela sociedade em geral, mas de qualquer maneira, você sobrevive às custas da teta social.

Às vezes, o tomador torna-se tão habitual que é fácil ignorar.

Muitas pessoas que aparentemente têm carreiras baseadas em contribuição possuem uma mentalidade de tomador subjacente. Eles pretendem extrair o maior valor social possível, contribuindo o menos possível.

Eles trabalham para ganhar dinheiro na medida em que é necessário, enquanto tomadores tanto quanto eles podem se sobressair.

Tais pessoas não têm carreiras inspiradas, porque o trabalho é visto apenas como um meio para um fim, e não como uma saída para uma contribuição genuína.

Dê uma olhada e veja se você pode identificar os tomadores em sua vida. Quem está lá para obter, em vez de dar?

Outro nome para a mentalidade do tomador é a mentalidade de escassez. Como você não está criando valor próprio, o dinheiro que você extrai deve vir de outra pessoa. É um jogo de soma zero. Seja qual for o seu ganho, alguém deve perder.

A mentalidade de tomador torna a obtenção de abundância financeira muito difícil porque, para ter sucesso financeiro com essa mentalidade, você deve abraçar certos valores que a maioria das pessoas consideraria negativos.

Seu ganho é a perda de outra pessoa, de modo que enriquecer exige tirar proveito de mais pessoas.

Para você ganhar, outra pessoa deve cobrir sua extração com valor real. Assim, quanto mais riquezas você acumula, mais você “rouba” dos outros.

A maioria das pessoas não consegue lidar com o pensamento de tornar-se rico à custa dos outros, de modo que geralmente a mentalidade de tomador dá origem a auto sabotagem.

Se você cair nesse padrão, você experimentará um relacionamento amor / ódio com o dinheiro.

Por um lado, você pode querer mais dinheiro, mas, por outro lado, você pode se sentir pouco inclinado a fazer muito, já que você sabe que quanto mais dinheiro você ganhar, mais alguém tem que pagar por isso.

Por exemplo, se você ganhar a vida como jogador de poker profissional, então você sabe que quanto mais você ganha, mais dinheiro outros perderão … não é a melhor motivação para alcançar a abundância financeira de uma pessoa altamente consciente.

Algumas pessoas são capazes de ignorar esse problema de auto-sabotagem financeira, reduzindo sua consciência. Eles aprendem a ganhar dinheiro sem considerar racionalmente as consequências de como eles estão ganhando seu dinheiro.

Eles inventam justificativas para explicar suas ações enquanto mantêm a consciência de entrar no caminho. Em última análise, essa é a mentalidade dos criminosos.

Quanto mais você se alinha com a mentalidade de tomador, mais difícil será para você experimentar a abundância financeira e permanecer consciente. Em última análise, você precisa escolher um ou outro: estar consciente ou ser rico.

Você não pode ter ambos se você se inserir na mentalidade de tomador. Se você se encontrar preso em um certo nível de renda e incapaz de chegar mais alto, uma mentalidade de escassez subjacente é provavelmente o culpado.

Esta é a mentalidade que leva você a perguntar: “Como posso ganhar mais dinheiro?”, Em vez de “Como posso contribuir com mais valor?”

É também a mentalidade que diz que é uma má ideia ganhar mais dinheiro, já que seu ganho é a dor de outra pessoa.

A mentalidade de contribuição

A mentalidade de contribuição.

Agora vamos considerar a mentalidade do contribuinte. Esta mentalidade reconhece que a melhor maneira de ganhar dinheiro é fornecer valor justo em troca. Crie um valor social genuíno e receba pagamentos compatíveis com esse valor.

Devido às ineficiências do mercado, às vezes você será mal pago, e às vezes você será pago em excesso, mas a ideia básica é que você ganha dinheiro contribuindo.

Se você quer ganhar dinheiro como contribuinte, você deve contribuir com o valor social, não com o valor pessoal.

Muitos contribuintes potenciais ficam presos neste conceito. O valor pessoal é o que você diz que é: você é livre para decidir o que tem valor para você pessoalmente, e não importa se ninguém concorda com você.

O valor social, no entanto, é atribuído pelo consenso social. Se você acredita que seu trabalho tem um valor tremendo, mas praticamente ninguém mais acredita nisso, seu trabalho tem alto valor pessoal, mas pouco ou nenhum valor social.

Aqui está o ponto chave: sua renda depende do valor social do seu trabalho, e não do valor pessoal.

Se você quer gerar renda do trabalho criativo, seu trabalho deve ter valor social. Não há como burlar isso. Sem valor social, sem renda. Se suas habilidades e trabalho duro não estão alinhados com a criação de valor social, então você não poderá gerar renda como contribuinte.

Este não é um sistema injusto – é exatamente como funciona o sistema monetário.

Uma vez que o dinheiro é um recurso social apoiado pelo valor social, faz sentido você não receber muito por fornecer algo de pouco ou nenhum valor social.

O ditado “Encontre uma necessidade e a preencha” certamente soa verdadeiro, supondo que nos referimos a uma necessidade ou desejo social.

Este site, por exemplo, tem um bom valor social. Se você ou eu o valorizamos como indivíduos é financeiramente irrelevante. Ele me gera renda com sucesso porque o consenso social, em geral, é que este site tem um certo nível de valor – valor social.

Esse valor social torna possível para o site gerar renda.

Se não houvesse valor social, não haveria nenhum potencial de geração renda.

Outro nome para a mentalidade de contribuição é a mentalidade de abundância.

A mentalidade de abundância diz que a riqueza pode ser criada a partir de ideias e ações.

Seu ganho é um reflexo do ganho social que você contribuiu. Se você quer ganhar uma renda mais alta, você deve contribuir com mais valor social. Quanto mais valor social você cria, mais dinheiro você pode ganhar.

Esta é uma mentalidade ganha-ganha porque você está colocando valor no sistema para o benefício de outros.

Sob a mentalidade de contribuição ou mentalidade de abundância, você recebe dinheiro como pagamento por seu serviço social.

O dinheiro que você ganha é a maneira da sociedade de dizer: “Em troca de sua valiosa contribuição, estamos lhe concedendo o direito de extrair R$ X do valor da sociedade no momento da sua escolha.”

Esta é uma coisa linda de se ver!

O único limite real de sua renda é o valor social que você pode criar. Se você quiser ganhar mais dinheiro, desenvolva suas habilidades e talentos para facilitar a criação de muito valor social.

A melhor maneira de aumentar sua renda é descobrir como oferecer mais valor social.

Concentre-se em dar, e a obtenção irá em grande parte cuidar de si mesmo. Os sistemas para recompensar o serviço social já estão em vigor, então tudo o que você precisa fazer é conectar seu serviço ao mercado já existente.

Gerar renda de contribuição social é uma experiência muito positiva. Consequentemente, não vai diminuir a sua consciência como a mentalidade do tomador – mentalidade de escassez.

Com a mentalidade do contribuinte, a riqueza e a consciência não estão em conflito. Na verdade, elas criam ótima sinergia entre si, especialmente se você reinvestir parte dos seus rendimentos para expandir sua contribuição.

Se você adotar a mentalidade de contribuição, apenas esteja ciente de que membros da mentalidade de escassez às vezes se confundem equivocadamente entre eles.

À medida que você trabalha para aumentar sua contribuição social e, consequentemente, ganha mais dinheiro os tomadores irão projetar seus valores para você, concluindo que você se tornou ganancioso e deve se aproveitar dos outros para ganho pessoal.

Não permita que os tomadores o dessoem do seu caminho. Deixe sua inspiração provir do desejo de oferecer ainda mais valor social.

Seria menos honrado reter seu valor apenas porque outros interpretam mal seus motivos.

Contribuição pro bono

Sob o modelo contribuidor, você sempre tem a opção de fazer uma contribuição pro bono (ou seja, de graça). Você não precisa receber o valor social completo do seu trabalho se você não quiser.

Eu gosto de ter essa opção porque significa que posso tornar meu trabalho acessível mesmo para aqueles que não podem pagar. Este site representa um tremendo investimento pessoal de tempo e energia, por isso certamente não é exatamente grátis do meu ponto de vista.

Mas porque eu posso aproveitar a tecnologia para manter meus custos baixos, é prático para mim fornecer conteúdo abundante sem exigir uma taxa de acesso para cada visitante.

Pagar pelo valor recebido é inteiramente opcional e é deixado a cada visitante, individualmente, decidir por si mesmo.

O dinheiro é crédito social, então, quando você recusa receber dinheiro pelo o seu trabalho, você recusa o crédito social que ganhou.

Embora seja perfeitamente bom recusar o crédito social que você ganhou, não deixe de considerar o que você poderia fazer com esse crédito social se você optar por recebê-lo.

Você poderia reinvestir para fazer uma contribuição maior ou melhor?

Se assim for, o trabalho pago faz mais sentido do que o trabalho grátis, já que você pode usar o dinheiro para expandir sua missão e servir ainda mais pessoas.

O dinheiro faz você cada vez mais quem você já é, então, se você já é um contribuidor, mais dinheiro pode permitir que você expanda sua contribuição.

Você também pode apontar para um bom equilíbrio entre trabalho remunerado e trabalho gratuito. Não precisa ser um ou outro. Você pode fornecer parte do seu trabalho gratuitamente e parte mediante pagamento.

Ganhando dinheiro conscientemente.

Ganhando dinheiro conscientemente.

Contribuir com valor social é a principal estratégia para ganhar dinheiro conscientemente, mas por si só ainda não é suficiente. O problema com o valor social é que seus valores pessoais não se alinharão perfeitamente com o consenso social.

Tenho certeza de que, se todos na terra fossem como você, a demanda por certos produtos e serviços mudaria dramaticamente.

Por exemplo, se todos fossem como eu, as frutas e vegetais frescos teriam um valor social ainda maior, enquanto a agricultura industrial não teria nada.

Quando você tenta fornecer valor social sem alcançar a congruência com seus valores pessoais, sua motivação será muito fraca. Você não vai se inspirar porque você estará fazendo o que você sente que deveria fazer, mas não o que você quer fazer.

Muitas vezes vejo isso acontecer com pessoas que decidem criar blogs sobre um tópico que acham que farão muito dinheiro, apenas para desistir depois de alguns meses, porque eles não podem aguentar mais por mais tempo.

Por favor, não faça isso com você mesmo.

Alternativamente, quando você tenta satisfazer seus valores pessoais sem fornecer qualquer valor social real, você obtém a síndrome do artista faminto. Você pode se inspirar no trabalho que o realiza totalmente, mas não vai pagar as contas.

Você também não deve fazer isso a si mesmo. Então, o que fazer?

A solução é encontrar uma área de convergência entre seus valores pessoais e valores sociais e trabalhar dentro dessa área de sobreposição.

Isso permitirá que você faça o que você ama e crie algo que outros também valorizem. Não se force a escolher entre sua integridade e sua renda – escolha os dois!

Os valores sociais e seus valores pessoais flutuam ao longo do tempo, então esteja preparado para se adaptar.

No meu início, lancei meu primeiro negócio na internet com um blog sobre ganhar dinheiro. Em primeiro lugar, alinhava perfeitamente com os meus valores pessoais, mas não com os valores sociais – Adorava o trabalho, mas não estava ganhando dinheiro.

Depois de algum tempo, cheguei a um ponto de equilíbrio, onde estava gostando do trabalho e vivendo com isso. Mais adiante, meus valores pessoais mudaram, e o trabalho já não me inspirou, embora ainda tivesse valor social.

Então, nesse ponto, optei por mudar de carreira e comecei esse negócio de desenvolvimento pessoal.

O desenvolvimento pessoal é um campo com alto valor social, e também se alinha belamente com os meus valores pessoais. Consequentemente, posso gerar renda substancial neste campo e ser muito realizado ao mesmo tempo.

Não subestime a importância do alinhamento entre valor pessoal e valor social. Ambos são essenciais se você quer ganhar dinheiro conscientemente.

A menos que você seja realmente inflexível, não deve ser extremamente difícil imaginar uma maneira de você contribuir com o valor social que também se alinha com seus valores pessoais.

Este é um problema que pode ser resolvido se você pensar nisso.

Contribuição congruente

Duas realizações simples podem ajudá-lo a alcançar uma mentalidade congruente sobre o dinheiro e se elevar para além de limitar as crenças financeiras.

Primeiro, você deve adotar conscientemente a mentalidade de contribuição – mentalidade de abundância e abandonar a mentalidade de tomador – mentalidade de escassez. E, em segundo lugar, você deve encontrar uma maneira de contribuir com o valor social e alcançar o alinhamento com seus valores pessoais.

Depois de internalizar essas duas mentalidades, você estará em uma posição de gerar renda abundante ao servir o bem maior.

Se você quer gerar renda sem diminuir sua consciência, você deve tirar suas crenças limitantes do seu caminho. Manter-se de ganhar mais dinheiro não serve a ninguém. Limitar a sua renda apenas limita sua contribuição.

A razão consciente de ganhar mais dinheiro é que você pode colocar esses créditos sociais ao bom uso. Use-os para expandir seu serviço para outros.

Se você está vivendo uma vida honrosa, então é bom para você receber mais dinheiro. Você será um bom contribuinte por isso. Quanto mais dinheiro que flui através da sua vida, mais recursos você pode investir em seu propósito de vida.

Leitura recomendada:

Sobre o autor | Website

Meu propósito é intencionalmente inspirar e capacitar as pessoas para aumentar a sua autoconfiança, descobrir o seu propósito de vida e conquistar os seus sonhos mais ousados, a fim de nos transformar no melhor que podemos ser, de dentro para fora.

Baixe GRATUITAMENTE Magnetismo de saúde e riqueza!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!